• Aumentar o tamanho da fonte
  • Tamanho padrão da fonte
  • Diminuir tamanho da fonte
O CIMJ passou a integrar, com o CECL, o Pólo CIC.Digital da FCSH, agora em fase de institucionalização.

Ciclo de Conferências Revolução e Democracia - "Jornalismo, Liberdade de Expressão e Comunicação" | 28 out FCSH-UNL Torre B - Auditório 1

Em 40 anos, a paisagem noticiosa mudou radicalmente em Portugal e sem dúvida que a informação jornalística afirmou a sua relevância para o exercício da democracia. Numa breve memória a quatro décadas de história do jornalismo recordemos momentos de mudança dessa paisagem.

A imprensa e a transição para a Democracia

Há muitos anos que deixou de ser possível ouvir o pregão cúmplice do ardina – Lisboa Capital República Popular - que anunciava quatro jornais da tarde, nas ruas de Lisboa. Nas décadas finais do século XX o desaparecimento do Diário de Lisboa, de A Capital, do República e do Diário Popular juntou-se ao fim de muitos outros jornais que fazem parte da História da Imprensa em Portugal – e da própria História Contemporânea do país. Nas suas diferenças, recordemos outros dois títulos que circulavam em Abril de 1974: o poderoso O Século, com uma circulação nacional, uma vasta rede de correspondentes e um conjunto de revistas e de outras publicações associadas; e o modesto O Comércio do Funchal, o jornal cor-de-rosa da Ilha da Madeira que circulava no continente, dirigido por Vicente Jorge Silva, que viria a ser primeiro diretor de O Público, surgido em 1991.

Ao longo destes 40 anos, permaneceram títulos centenários como o Diário de Notícias, o jornal matutino de referência nacionalizado na Primavera de 1975 e em cuja redação se viveram nesse ano acaloradas batalhas pela liberdade de expressão. No Norte e Centro, o Jornal de Notícias liderava na ligação aos seus leitores, numa relação assente no valor da proximidade noticiosa. Em 1973, tinha surgido o semanário Expresso, dirigido por Francisco Pinto Balsemão, trazendo um outro olhar sobre a política e o país.

A consolidação do "4º poder"

A década de 1980 marca um tempo de transição no jornalismo em Portugal, como marca também a transição do país. No início desses anos, surge O Correio da Manhã, dirigido por Vítor Direito, com um grafismo, uma agenda de notícias e uma linguagem que fazem a diferença. Num outro registo editorial, anos mais tarde, a diferença aconteceria com O Independente, o semanário de vida relativamente curta mas de fortíssimo impacto político, dirigido por Paulo Portas e Miguel Esteves Cardoso. Cresce a imprensa especializada e um jornalismo cultural associado ao lazer, com perfis que vão do Blitz ao Jornal de Letras, Artes e Ideias. O jornalismo de investigação vive provavelmente a sua fase de ouro, numa convergência de meios em que o título Grande Reportagem se torna uma referência, escrita e televisiva. A TSF introduzia na rádio uma outra forma de informar, trazendo os sons, as vozes e os olhares jornalísticos sobre o “fim da rua” e “o fim do mundo”. Desde os finais dos anos 70 que a RTP2 mostrava que o jornalismo televisivo podia ir além do telejornal. Foi a década em que se formaram os primeiros licenciados em Comunicação Social e noutras Ciências Sociais, muitos deles jovens do sexo feminino, trazendo outros olhares para as redações.

SIC e TVI: o surgimento dos canais privados

A década seguinte acentua sobretudo a mudança no jornalismo audiovisual, com o aparecimento dos canais privados, SIC e TVI, e a resposta da RTP. A informação jornalística diversifica formatos, a grande entrevista e a grande reportagem consolidam-se na grelha de horário nobre, em televisão. Na imprensa, a revista Visão, surgida em 1993, renova o formato das newsmagazines até então de vida curta e permanece até ao presente. Num alargamento que vinha de trás, a atenção a tendências culturais e a matérias de sociedade (Justiça, Educação, Saúde, Ambiente, entre outros) alarga o espetro das agendas jornalísticas centradas na Política, na Economia e no Internacional.

No início do novo século, 20 anos depois da CNN, há condições para a afirmação de canais noticiosos em contínuo e feitos em Portugal, de que a SIC Notícias foi pioneira. À cadência dos noticiários horários destes canais junta-se o espaço de Comentário. Uma revolução nas formas de fazer e difundir informação surge com as potencialidades interativas da internet e outros recursos da tecnologia móvel, gerando expetativas e alimentando a imagem do “cidadão-jornalista”. Hoje, o jornalismo faz-se em plataformas múltiplas, num ambiente de convergência de meios onde impera o digital. Há muito que desapareceu a profissão do tipógrafo, enquanto se solicita ao repórter que seja mais do que alguém que vai ao terreno munido apenas de bloco e caneta. A velocidade da difusão de ‘nova informação’ é o valor dominante, as redações reduzem-se enquanto cresce o número de profissionais sem vínculo estável nem condições para receber a herança de gerações anteriores.

Jornalismo e ética

A afirmação de uma ética e de um rigor jornalístico que constrói um capital de credibilidade e confiança bem como o valor da liberdade de expressão têm em Portugal uma história inseparável da história política do país e da conturbada e interrompida afirmação da sua democracia, desde há mais de um século. Hoje, a afirmação da importância da informação jornalística para que a sociedade portuguesa seja um espaço público aberto e democrático enfrenta o desafio de fontes não jornalísticas que circulam nas redes sociais. As cores da liberdade de expressão carregam-se numa paleta de muitas tonalidades. Importa discutir o jornalismo e a liberdade expressão nas sociedades contemporâneas marcadas por meios desregulados e pela visibilidade de uma informação gerada por algoritmos.

Em 1974, Portugal passou de um regime de repressão e de censura à imprensa para um regime de liberdade de expressão, que ficou claramente expressa na Constituição de 1976 e em legislação que se seguiu – e que tem também a sua história. Este debate pode também recordar como essa liberdade de expressão foi constituída e regulada de diferentes modos, a partir dos próprios profissionais, das empresas e da intervenção do Estado.

Que futuro?

Como noutros países democráticos, o jornalismo enfrenta dificuldades: as redações estão quase vazias de memória e cresce trabalho precário e sub-emprego, enquanto os cidadãos para quem o jornalismo se dirige vivem tempos de saturação de informação instantânea e superficial, proveniente de múltiplas fontes e acessível “em qualquer lugar e a qualquer hora”. Os desafios que se colocam ao jornalismo e à liberdade de expressão têm uma escala global. Mas cada país tem a sua história e o contexto português é particularmente desafiante.

Mário Mesquita e Diana Andringa viveram estes 40 anos como profissionais da informação jornalística e protagonizaram situações que fazem parte da história recente do jornalismo em Portugal. Como jornalistas e como estudiosos do Jornalismo, a Faculdade de Ciências Sociais e Humanas orgulha-se da sua presença como oradores nesta sessão do Ciclo de Conferências.

Consulte a biografia dos oradores

 

NOTÍCIAS

Programa Born from Knowledge
O Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES) promove o programa Born from Knowledge, através do qual se associa ao Web Summit. O programa reúne um conjunto de iniciativas, entre...
Aquele outro Mundo que é o Mundo - Bolsa de criação jornalística
Estão abertas as candidaturas para a atribuição de uma bolsa de criação jornalística que visa promover condições para a realização de uma experiência de reportagem sobre temas relacionados com o Desenvolvimento. “Aquele...

CALLS

Extended Deadline - CFP - Special Track “Digital games in Assistive Environments” in TISHW 2016 - (27 junho 2016)
In recent years, there has been increasing interest in applying digital games to such contexts as healthcare, sports, occupational therapies and rehabilitation. Although much has been debated about its use in...
I Seminário de História da Comunicação - Universidade do Minho | 25 de outubro de 2016
Termina no dia 15 DE JUNHO o período de submissão de propostas ao I Seminário do GT de História da Comunicação da Sopcom, que o CECS organiza na Universidade do Minho....

EVENTOS

Apresentação do livro 'Gender in focus: (new) trends in media' 7 de junho, Braga
O livro 'Gender in focus: (new) trends in media', editado por Carla Cerqueira, Rosa Cabecinhas e Sara I. Magalhães, que explora as interrelações e negociações entre comunicação (mediática) e género, sobretudo...
PLUNC 2016
OPEN CALL - PLUNC 2016 - Festival de Novos Media e Artes Digitais. A segunda edição do PLUNC vai ser realizada de 29 de Setembro a 2 de Outubro, nas zonas...